Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Rota dos restaurantes | Pedro e o Lobo

por Marisa Furtado, em 02.05.14

Já vos falei aqui do meu fascínio pelo conceito da Restaurant Week. É graças a este evento que me posso armar em pelintra e ir comer a restaurantes onde o prato mais barato ronda os 20€. Nesta semana dedicada à restauração de luxo todos os menus são a esse preço com tudo a que temos direito - entradas, prato principal e sobremesa - menos as bebidas. Já apanhei algumas desilusões mas, regra geral, os restaurantes que fazem parte do evento são bastante bons. Desta vez aproveitei para conhecer o Pedro e o Lobo, um espaço trendy, sofisticado, e onde podemos saborear pratos típicos portugueses mas com um twist do chef: bacalhau com grelos, nabo e baunilha; bochechas de porco com alfarroba e figos; atum com batata doce e gengibre; enfim, o céu é o limite. O menu Restaurant Week era composto por duas entradas, dois pratos e duas sobremesas e eu, alarve como sempre, provei tudo!


 




Salada de beterraba com queijo de cabra e amêndoas





Croquetes de novilho com molho kimchee e ume boshi





Peixe do Atlântico com romesco e legumes grelhados





Perna de pato confitada com castanhas, acelgas e romãs





Tarte merengue de limão





Leite creme




As entradas não me fascinaram. Os croquetes estavam bons mas... eram croquetes, não sei até que ponto são um petisco com margem de manobra para grandes invenções, e a salada de beterraba era fresquinha e light mas só me sabia a terra, que é ao que me sabe sempre a beterraba, quer seja no Pedro e o Lobo, no Eleven ou no restaurante da tia Amélia aqui ao lado de casa. 

Os pratos principais foram uma boa surpresa. Não sei qual foi o peixe que me serviram, chamarem-lhe peixe do Atlântico não me diz nada, é o mesmo que me dizerem que é peixe do mar... há todo um mundo de possibilidades. Porém, estava muito bom e mesmo no ponto! A maior parte das vezes os peixes ficam assim meio espapaçados e moles mas este estava bem rijinho, uma delícia. Fiquei mesmo fascinada com o raio do peixe! Acho que nunca tinha comido um tão bem cozinhado. O prato de carne esteve perto de uma experiência orgásmica. O pato estava bem tenrinho, derretia-se na boca, e fiquei rendida àquele puré de castanhas meio adocicado. Sei que misturar comida salgada com o doce da fruta é uma moda que agrada a muita boa gente, mas eu torço o nariz a essas coisas. Acho sempre o doce da fruta demasiado forte e que anula o sabor da carne ou do peixe. Mas esta maneira mais discreta de misturar o doce com o salgado, através do puré de castanhas ou de batata doce, por exemplo, ou de molhos adocicados, convencem-me em três tempos.

Nunca tinha comido tarte merengada, mas desde que vi um desgraçado no MasterChef Portugal a arruinar, por várias vezes, esse doce é só disso que me consigo lembrar, do ar desolado dele e olhar para aquela coisa toda torta e a derreter por todos os lados. Provei-a pela primeira vez neste jantar e não achei que fosse uma sobremesa memorável. A parte doce era muito boa, mas não gostei da acidez do limão. Aliás, nem achei o doce assim tão doce para ser rematado com o mais amargo dos citrinos. 

Confesso que assim que me sentei à mesa aquilo que mais queria provar era o leite creme que, para mim, é a sobremesa das sobremesas. Se me querem ver feliz é porem-me leite creme à frente. Mas leite creme a sério! Não é cá farinha maizena com açúcar queimado por cima que eu sei logo ver a diferença. Já me aconteceu ir a restaurantes onde perguntei se o leite creme era caseiro e a resposta ser um "sim!" muito ofendido, mas depois porem-me à frente uma tigela com um creme muito amarelo... vejo logo que me estão a endrominar. E já chegaram ao cúmulo de me responderem "É feito aqui dentro por isso, sim, é caseiro" com um sorriso idiota. Quem responde isto a um cliente está mesmo a pedir para ser despedido com justa causa. Vêem como isto é um assunto sensível para mim? Não me estraguem o leite creme, p'lamor de Deus!! Mas voltando ao Pedro e o Lobo: num sítio destes essa questão nem se põe. Tudo tem a obrigação de ser caseiro, tudo! Desde as batatas fritas ao leite creme. E era. Era caseirinho e também era uma delícia! O meu estômago bateu palminhas de contente. Gostei especialmente da grossa camada de açúcar queimado na hora. Até me partiu o coração ter de desfazer aquele trabalho tão bonito.

Fiquei muito satisfeita com o jantar. As doses não são enormes, também não estava à espera que me pusessem um tacho em cima da mesa, mas satisfazem perfeitamente os estômagos mais exigentes. E o espaço é giríssimo, com a madeira, o metal e o cimento como materiais de destaque. Se ainda não fizeram a vossa marcação apressem-se. Esta edição da Restaurant Week termina já no próximo domingo.





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Jf a 23.05.2014 às 19:10

Aceito o convite para está experiência , mas em seguida passamos pelo barbas e enfardamos um arrozito de marisco
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.05.2014 às 12:32

Conquentão fascinada com o raio do peixe!
E os salmões?
As douraditas com xoriçito na guelra?
Próxima comes dobrada.

Comentar post



talk to me!

theallengirlblog@gmail.com

Mais sobre mim

foto do autor


passaram por cá



no tumblr

Allen girl

no polyvore

my Polyvore

no pintarest

Pinterest

Follow



Comentários recentes

  • Carla Marques

    E os comentários dos defensores do piropo no Faceb...

  • isabel

    Quem consegue sair de casa e deixar para trás um r...

  • Marisa Furtado

    Não! Apeteceu-me apenas mudar-lhe o nome e o visua...

  • Pedro

    Por momentos pensei que o blog estaria de saída do...

  • Restaurante A Mexicana

    Sr. Miguel Diniz, obrigado pelo elogio!Quanto ao p...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog